Categoria:

FGC: como ele funciona e sua importância para os seus investimentos

Compartilhe nas redes sociais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Fundo Garantidor de Crédito, conhecido como FGC, foi criado em agosto de 1995 e tem como principal propósito a administração de mecanismos de proteção a titulares de créditos contra instituições financeiras.

Instituído por uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN), ele surge diante da necessidade de estabilizar o sistema financeiro brasileiro e de prover garantias aos investidores. Entenda nesse artigo quais investimentos ele protege e quais são seus requisitos!

Logo do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)
O FGC é uma instituição sem fins lucrativos que faz a garantia de alguns investimentos

O que é o Fundo Garantidor de Crédito

A principal função do FGC é manter a estabilidade do sistema financeiro. Essa estabilidade pode ser entendida como a implementação de instrumentos de acompanhamento e controle que formam espécies de redes de proteção.

Assim, o FGC é uma associação civil, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado e estabelecida na cidade de São Paulo, que garante um funcionamento fluido e harmônico de todo o sistema financeiro.

Ele é financiado por todas as instituições financeiras brasileiras, que são obrigadas a aderir ao FGC e depositar, mensalmente, 0,1% do total de valores transacionados e que tenham a garantia do fundo.

Já deu para imaginar a importância do FGC na vida dos investidores no Brasil, não é mesmo? Vamos conhecer agora mais alguns detalhes dessa instituição e até onde ela protege os nossos investimentos.

Quais são os investimentos garantidos pelo FGC?

O FGC oferece dois tipos de garantias: a ordinária e a especial. A ordinária cobre investimentos de até R$ 250 mil por CPF nas categorias:

  • Depósitos de poupança;
  • Letras de câmbio (LC);
  • Letras Hipotecárias (LH);
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Recibo de Depósito Bancário (RDB);
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);

Há ainda a limitação da garantia de até R$ 1 Milhão para cada CPF a cada período de 4 anos. Já a garantia especial é oferecida aos investidores que realizam o Depósito a Prazo com Garantia Especial – DPGE, que é uma modalidade de depósito especial criada pelo Conselho Monetário Nacional. Conheça agora quais investimentos não são cobertos pelo FGC. 

Mulher segurando cofre em formato de porquinho com moedas na sua frente
O FGC protege investimentos em renda fixa

Investimentos não protegidos pelo Fundo

De forma geral, o FGC protege os investimentos em renda fixa. Assim, os investimentos de renda variável como ações, commodities e fundos (de investimento, índices ou imobiliários) não são cobertos pelo FGC.

Contudo, não são todos os investimentos de renda fixa que podem ter seu patrimônio recuperado em caso de decretação de regime de intervenção ou liquidação extrajudicial. Os produtos de renda fixa não cobertos pelo FGC são:

  • Tesouro Direto;
  • Letra Imobiliária – LI;
  • Letra Imobiliária Garantida – LIG, criada pela Resolução CMN n.º 4.598/2017;
  • Debêntures;
  • Letra Financeira (LF).

Cabe esclarecer que o Tesouro Direto não é coberto pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) porque ele já é garantido pelo Governo Federal, responsável pela emissão dos títulos.

Como funciona o recebimento do valor investido pelo FGC?

Caso você precise utilizar a garantia do FGC, em caso de falência da instituição à qual você emprestou dinheiro, por exemplo, saiba que o recebimento não é imediato. Primeiro a instituição precisa fornecer uma lista com todos os seus credores, seus respectivos CPFs e valores devidos.

Depois disso, o FGC escolherá um banco que cobrirá as perdas e realizará o pagamento. Por fim, é definido em qual agência você receberá o dinheiro. O processo é relativamente simples, mas demora em torno de 3 meses para ser concluído.

É importante ter em mente que apesar do FGC ser um mecanismo muito importante de garantia para seus investimentos, ele não deve ser o único requisito para você escolher um ativo. Avalie bem a liquidez, volatilidade, credibilidade da instituição e demais fatores antes de decidir. 


Lembre-se que seus investimentos devem estar alinhados aos seus objetivos e ao seu perfil de investimento. Para conhecer mais opções de investimento acesse o nosso Guia Definitivo da Renda Fixa e Variável

Compartilhe nas redes sociais. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Artigos relacionados